Luna a criadora do mindim

CARTILHA

CARTILHA
solicite, também em Livros de Luna Di Primo clic na imagem

Pensador

Pesquisar este blog

acompanhe por email

GRATIDÃO A TODOS QUE PARTICIPAM DA MINHA VIDA

Aqui, duas vidas se misturam e se separam ao mesmo tempo: nasci uma pessoa, apenas, e assim segui até que a escritora poetisa apareceu e se assumiu, sentou e assentou-se, tomou o seu lugar. Daí para hoje tantas águas nos banharam. Águas frescas, quentes, mornas ou pelando corpo e alma; águas frias, gélidas a nos levar à hipotermia. E assim caminhamos por estradas tantas e de tantos pisos como terra batida, terra fofa, cascalhos, pedras, piche, lama e tantos outros trechos. Quero deixar aqui minha sempre gratidão a todos que participam dessa história com visitas de tantos países, de tantos lugares, aos meus blogues. Obrigada pelas estimadas presenças. Prosperidade, amor, paz e alegria a todos, é meu desejo!

O CABRA



O cabra tava descrente
Ali, beira da estrada
Triste, só e decadente
Já sem a cara safada
Sentado lá no barranco
Cara feia e de tamanco
Queria saber de nada

Poeira ate no ouvido
"Suadô na sombranceia"
Naquele jeito sofrido
O sangue corria a veia
Trazia desconsolado
Um sofrer predestinado
Sentia no corpo a peia

Um dia se aventurou
A brincar de encantar
A morena que encontrou
Começou com versejar
Combinando o seu feitiço
Com um fôlego maciço
Feito um sabiá a cantar

Era festa e pirueta
Quando via ela passar
Esse cabra bem porreta
Vinha sempre a recitar
A morena a sorrir
E o seu gosto a nutrir
Faltava se apaixonar

Ironia do destino
Exato o que aconteceu
O moço perde seu tino
E o tempo escureceu
Só enxergava ela à frente
Tava mais do que contente
Era a rainha e o plebeu

Mas ele cheio de graça
Se entregou foi por inteiro
Pra ganhar o amor na raça
Joga adubo em seu canteiro
Já mostra todo o riscado
Passaredo convidado
Para o amor crescer ligeiro

E assim foi se findando
Bem naquela placidez
A morena conquistando
Pensava agora era a vez
 O canto foi se alongando
No amor foi viajando
Ele bem na polidez

Mas a moça 'opiniúda'
Com ela ninguém podia
Filha de gente graúda
Fantasia noite e dia
O cabra queria  teúda
Sorrindo ergue a mão e o saúda
Dando adeus à covardia

Ele disse vem morena
Nos meus braços eu lhe quero
E sendo a minha pequena
Vamos dançar um bolero
Tem cheiro de açucena
Que suscita a minha pena
Só consigo eu sou sincero

Levou a moça pra casa
Não ligou pra 'graudêz'
Foi se deitar com a brasa
E se apaixonou de vez
Essa morena que arrasa
Assustada então descasa
Pois não teve a sua vez

E bem lá naquela estrada
Ele chora em desespero
Quer o coração da amada
Entra em total destempero
- Eu sem ela não sou nada
Resolvo isso com gemada
Foi somente um entrevero

De repente se levanta
E fala o cabra arretado
Essa morena me encanta
E não vou viver um fado
Eu a faço virar santa
 Em cobertura igual manta
Ou não me chamo Ruibarbo

Lá se vai o cabra macho
Pelo caminho a sonhar
Vai rumo ao velho riacho
Com sua amada casar
Domar aquele 'diacho'
Sem deixar rapa no tacho
Pra seu fogo dominar







Arquivo do blog

Agua límpida @ Fonte abençoada @ Luz e Paz eu bebo


clique na imagem para ver

POSSO NÃO SER GRANDE MAS ESTOU ENTRE ELES

POSSO NÃO SER GRANDE MAS ESTOU ENTRE ELES.