Luna a criadora do mindim

CARTILHA

CARTILHA
solicite, também em Livros de Luna Di Primo clic na imagem

Pensador

Pesquisar este blog

acompanhe por email

GRATIDÃO A TODOS QUE PARTICIPAM DA MINHA VIDA

Aqui, duas vidas se misturam e se separam ao mesmo tempo: nasci uma pessoa, apenas, e assim segui até que a escritora poetisa apareceu e se assumiu, sentou e assentou-se, tomou o seu lugar. Daí para hoje tantas águas nos banharam. Águas frescas, quentes, mornas ou pelando corpo e alma; águas frias, gélidas a nos levar à hipotermia. E assim caminhamos por estradas tantas e de tantos pisos como terra batida, terra fofa, cascalhos, pedras, piche, lama e tantos outros trechos. Quero deixar aqui minha sempre gratidão a todos que participam dessa história com visitas de tantos países, de tantos lugares, aos meus blogues. Obrigada pelas estimadas presenças. Prosperidade, amor, paz e alegria a todos, é meu desejo!

MONÓLOGO 3



Maria? Escuta Maria... Agora vou lhe contar...
Vi aquela criatura...
Mergulhei na sua morte.
Apreciei cada cafezinho servido.
Olhei sua cara de morta,
Que continuou safada, delinquente e criminosa.
Senti o aroma fétido de coisa podre que exalava daquilo.
Apodreceu em vida...
Já se encontrava pronta pra cada mordida na sua carne,
De seus companheiros vermes.
- Sinta! Cada mordida é a lembrança de suas maldades.
É a lembrança daqueles feridos, cavernados e
Queimados vivos por tal criatura.
Mas, a vida, não conseguiu lhes tirar,
Criatura vil, a morte não alivia seus crimes.
Padecerá, vagando pelos umbrais do infinito.
Os vampiros que conquistou lhe sugarão a alma.
Sentirá a dor das covardias de que fora autora implacável.
- Sinta! Veja quantos bichos caem das suas carnes.
São colônias empencadas de si mesmas – Verme!
Haveria carne pra tanto verme conquistado?
Um por um reclama seu pedaço nesse banquete raro por tantas iguarias.
E seus parcos amigos (...) estavam presentes, riam e contavam piadas.
- Sim, Maria. Aquela velha com sua falsa classe a olhava e cobria o rosto a rir, sacodia-se nas banhas, como a dizer:
- Amiga otária... Queimou a si mesma... E eu, ainda, perguntava como ela se livrava de seus algozes, ts ts ts... Eu, sim, sou esperta e inteligente, apronto todas e ninguém me pega, rsrs...
É... Mal sabia ela, Maria, que essa criatura que chama de otária lhe imputara vários dos seus crimes, já que esta se queimava por si, só, pelas várias vertentes de sua burrice. Criaturas otárias não se reconhecem?
Maria, essa é a lembrança viva do vivido...
Passado se faz presente, misturam-se os verbos e seus tempos...
Indo ao cemitério dá pra ver seu velho túmulo...
E dele a criatura se levanta a lhe plantar as flores, já que o abandono é geral.
Ali, fica contando suas flores, murchas, secas, com bolor, ferrugem, não importa, continua plantando, como fez com a maioria, para depois comemorar seu falso jardim, juntamente com seus fantasmas. Não importa.
Vez, outra, arrisca um passeio em casas de amigos (...) que se espantam e correm para casa de vizinho.
É, Maria... Assim termina a história de uma horrenda criatura que se embrenhou num mundo que não era o seu, se impondo como estrela que nunca foi, pois se banhava no brilho que roubava de vítimas amedrontadas por sua total violência, até que encontrou quem lhe cortou o ar e sem fôlego pereceu.
Olha, Maria, sem maldade, ela mereceu... Jamais se viu criatura endemoniada nesse grau. Era quase o próprio demônio, mas, com a diferença que o demônio é inteligência superior e a criatura é burra.
Maria, você não sabe, mas a horrenda, aterrorizou meio mundo. Usava de todas as armas para conseguir seus intentos. Incriminava pessoas com suas falsificações, mentia e nem gaguejava ou ficava vermelha. Cantava ao mundo feito taquara rachada as dores que simulava. Tudo que aprontava com suas vítimas, a criatura invertia a situação dizendo que faziam com ela.
- Ah, Maria... Você não sabe nada... Quem sabe um dia eu consiga lhe contar tudo do que aconteceu... Quem sabe... Até, Maria! Fica degustando esse prato, se consegue... Cuidado para não vomitar a bilis no tapete... 








Arquivo do blog

Agua límpida @ Fonte abençoada @ Luz e Paz eu bebo


clique na imagem para ver

POSSO NÃO SER GRANDE MAS ESTOU ENTRE ELES

POSSO NÃO SER GRANDE MAS ESTOU ENTRE ELES.