Luna a criadora do mindim

CARTILHA

CARTILHA
solicite, também em Livros de Luna Di Primo clic na imagem

Pensador

Pesquisar este blog

acompanhe por email

GRATIDÃO A TODOS QUE PARTICIPAM DA MINHA VIDA

Aqui, duas vidas se misturam e se separam ao mesmo tempo: nasci uma pessoa, apenas, e assim segui até que a escritora poetisa apareceu e se assumiu, sentou e assentou-se, tomou o seu lugar. Daí para hoje tantas águas nos banharam. Águas frescas, quentes, mornas ou pelando corpo e alma; águas frias, gélidas a nos levar à hipotermia. E assim caminhamos por estradas tantas e de tantos pisos como terra batida, terra fofa, cascalhos, pedras, piche, lama e tantos outros trechos. Quero deixar aqui minha sempre gratidão a todos que participam dessa história com visitas de tantos países, de tantos lugares, aos meus blogues. Obrigada pelas estimadas presenças. Prosperidade, amor, paz e alegria a todos, é meu desejo!

MULHER - COMEMORAR O QUE?

Dia Internacional da Mulher? 
Comemorar o que? A responsabilidade que multiplicou? As surras e mortes que aumentaram? O tempo para descanso que já não existe? O objeto sexual que não deixou de ser?
Comemorar o amor que não passa de engano? O romantismo que só existe nas histórias de ficção onde se transcreve os sonhos?
Comemorar a ingenuidade de se achar companheira, enquanto se é vista, apenas, como a dona de casa que lava, passa, cozinha, vai ao supermercado ou à vendinha, ali do lado, pegar o que falta para o almoço ou jantar, para dar de comer ao marido ou ao marido e filhos, quando chegam e dão seguimento aos seus interesses enquanto se espera pelo chamado que a comida está na mesa?
Comemorar que vai para a rua, para o trabalho, muitas vezes, obrigada a ganhar o “pão de cada dia” para alimentar os filhos?
Comemorar que muitas vezes perde seus filhos para um mundo desregrado por falta de sua companhia e orientação?
Comemorar o desespero de ver um filho morto por desajustes sociais?
Comemorar o que? Se quem deveria lhe valorizar nem imagina a dimensão do que é a dor de parir?
Comemorar que a sua terna e eterna dedicação na maioria das vezes é vista, apenas, como o cumprimento de sua obrigação?
Comemorar a beleza explorada ou usurpada pela ambição e ganância?
Comemorar o comércio do encanto, da vaidade e da sedução?
Comemorar que, mesmo, sendo dita amada e adorada continua a ser explorada em todos os sentidos?
Comemorar que, por mais independente que seja e, seja pobre, rica ou classe média é sempre submissa à vontade do homem?

Não! Não há nada para se comemorar. Nem a libertação, pois que a escravidão, nesse caso, não passa de uma obrigação ditada pela sociedade.



ACADEMIA

ACADEMIA

Prêmio

Prêmio

Prêmio

Prêmio

PREMIO

PREMIO

Graça

Graça

super

super

premio

premio

opb

opb

clique na imagem para ver

Agua límpida @ Fonte abençoada @ Luz e Paz eu bebo


POSSO NÃO SER GRANDE MAS ESTOU ENTRE ELES

POSSO NÃO SER GRANDE MAS ESTOU ENTRE ELES.